Crítica: A ORIGEM

Divulgado como “um filme de ação passado na mente”, A Origem é isso e muito mais: um filme surpreendente que pode e deve ser visto de formas diferentes

Maurício Muniz

Por onde começar a falar de A Origem (Inception, 2010), nova aventura escrita e dirigida por Christopher Nolan, o mesmo que realizou o melhor filme de super-heróis até hoje, Batman – O Cavaleiro das Trevas?

Ok, comecemos com a história, da qual falaremos pouco pois é melhor conhecer os meandros do filme enquanto ele se desenrola (acredite):

Cobb (Leonardo DiCaprio) é o líder de uma equipe de ladrões que, graças à tecnologia, consegue entrar nos sonhos alheios e roubar informações sigilosas de mentes indefesas. O ladrão teve problemas no passado que o impedem de voltar para casa, nos Estados Unidos. Assim, quando recebe a proposta de realizar uma missão especial que pode significar um novo recomeço e a possibilidade de voltar a ter uma vida normal, ele a aceita mesmo sendo perigosa: inserir, na mente de um rico herdeiro, uma ideia proveniente de um concorrente. Para isso, Cobb reúne alguns colaboradores habituais e novos como Arthur (Joseph Gordon-Levitt), Eames (Tom Hardy) e Ariadne (Ellen Page). Um dos perigos da missão é que o plano envolve colocar a equipe em vários estágios do mundo onírico, sonhos dentro de sonhos, cada um deles um mundo diferente, onde o tempo se estica e as regras da Física mudam.

Contando assim nem parece tão complicado. E na verdade não é mesmo, mas o roteiro exige mais do espectador do que os filmes de ação convencionais que pipocam todo o verão nas telas americanas. Tudo se explica nos diálogos (portanto é bom evitar conversinhas alheias pra não “boiar” depois) e nas atitudes dos personagens. Da forma como foi concebido, A Origem é uma mistura de Missão Impossível com Sandman, a famosa história em quadrinhos de Neil Gaiman. As comparações óbvias serão com a trilogia Matrix, onde a humanidade vivia, sem consciência disso, no mundo dos sonhos e os heróis transitavam por aquela realidade fabricada realizando proezas que pareciam pura magia. Um pouco como em Matrix, a grande sacada aqui é mostrar os personagens agindo dentro de mundos que parecem o nosso mas não é, onde nada é impossível e as surpresas se multiplicam. E é nisso que está uma das grandes sacadas do filme, o que alguns criticos – poucos felizmente – não conseguiram entender: onde, quando e como começa a realidade de um sonho e onde termina outra.

Mais imporante, porém, talvez seja curtir o filme de forma simples, sem ficar procurando todos os significados possivelmente ocultos: um espetáculo de ação muito bem conduzido que subverte convenções do gênero e impressiona pela criatividade. Todo o elenco está bem e o destaque, claro, é DiCaprio, que finalmente parece estar conseguindo se afastar da sua imagem de galã teen (ou Teentanic, poderíamos dizer). Ele já tinha realizado um ótimo trabalho em Ilha do Medo e aqui confirma seu carisma como astro adulto. Michael Caine, que esteve presente nos últimos quatro filmes de Nolan, tem pouco a fazer mas é sempre bom vê-lo em atividade. Joseph Gordon-Levitt é quem acaba sendo a grande surpresa do elenco, mostrando-se um herói maduro de maneiras suaves e expressão plácida que não pensa duas vezes em partir pra luta física pra defender seus companheiros.

Claro, nem tudo é perfeito. Um dos mundos de sonho, próximo ao final, parece um tanto exagerado e sem emoção apesar das cenas de ação competentes ao estilo James Bond passadas nele. Em alguns momentos há repetições em excesso das regras deste universo: necessário para martelar na cabeça do espectador como tudo funciona, sim, mas cansa um tanto. Também falta um certo carisma a Mal (Marion Cottilard), espécie de competidora de Cobb no mundo dos sonhos, ainda mais quando se explica a importância dela no contexto geral.

O melhor sobre A Origem é mostrar-se um filme que foge do esperado. Não sei o quanto você já leu sobre o filme em outros lugares e o quanto sabe da trama, mas ele subverteu a maior parte das minhas expectativas enquanto assistia. Fosse porque algumas das cenas mais impressionantes mostradas no trailer se mostraram de importância menor na trama, fosse pelas tangentes pela qual o roteiro resolveu seguir. Neste época em que sabemos tudo que vai acontecer num filme, livro ou HQ com um ano de antecedência graças à internet, é muito bom se ver em meio a uma história que dá um nó tanto no cérebro quanto nas expectativas.

Portanto, é isso: curta o filme primariamente como uma aventura inteligente de ação. Mas, se você começar a notar uns detalhes “fora do comum” aqui e ali, umas pistas estranhas e aparentes inconsistências… bem, você estará vendo o filme com outros olhos. E os olhos certos na minha opinião. Depois volte aqui pra discutir e comentar. Porque A Origem vai deixar você pensando e querendo falar sobre seus meandros um bom tempo depois que o filme acabar e mesmo na própria sala de cinema enquanto os créditos estiverem subindo.

Um dos melhores do ano, merecedor de todos os elogios que vem recebendo e que vai dar vontade de ver de novo. Nolan mais uma vez mostra porque é um dos diretores mais talentosos da atualidade, fazendo um filme bom atrás do outro nos últimos dez anos. Agora é sentar, assistir A Origem mais algumas vezes e esperar pelo novo Batman.

Cotação Antigravidade:

Trailer INVASÃO DOS MORTOS:


12 comentários sobre “Crítica: A ORIGEM

  1. Discordo completamente do Leandro. Christopher Nolan consegue com “honra ao mérito” o que muitos diretores sonham fazer, mas não conseguem: Intelectualizar o cinema de ação (sem que o filme fique chato). ‘A Origem’ tem grandes chances de ser o filme do ano.

  2. UAU!!!
    Ontem não aguentei: matei aula no cursinho e fui assistir A Origem pq tava morrendo de curiosidade. Valeu MASTER a pena!!!
    Acho que até melhorei minha capacidade de raciocínio depois do filme:). Fiquei sem fôlego.
    Cara, faz muuuito tempo que não via um filme tão inteligente e poético. Sim, poético. Essa idéia não saia da minha mente enquanto eu assistia: Poesia. Ou música, pois pra mim o filme é, de sua própia maneira, harmônico.
    Posso estar só pirando, mas me encantei pelo filme como há muito não acontecia.
    “In Nolan we trust!” \o/

  3. Olá.
    Adoramos o blog de vocês. Já conhecem a BAD BEHAVIOR? Estamos a produzir cinema de terror em Portugal e esperamos estrear os nossos filmes no Brasil. Visitem o nosso blog.

    Abração!🙂

  4. “IN NOLAN WE TRUST!!!” [3]
    É incrível a capacidade do Nolan em transformar atores canastrões, em bons atores em seus filmes. A bola da vez é o Tom Hardy e o Cillian Murphy. Bacana ver o Tom Berenger de volta aos filmes da ação. Só discordo que o papel da Marion Cotillard não tem carisma. Com toda aquela beleza gelada, quem precisa de carisma ? A única coisa negativa, é a Ellen Page, muito sem sal. Mas o filme é 10 !!!

  5. Jéssica,

    Também me encantei. Aliás, como já tinha me encantado pelos dois Batmans dele e pelo Grande Truque.

    Muito bão!

  6. tá loca ana se assistiu o filme emsmo?
    pq se vc assistiu não ia querer continuação!
    a outra coisa melhor filme que já assisti

  7. SIMPLESMENTE MELHOR QUE CREPUSCULO Q AFINAL NAO ERA NEM PRA SER UM DOS FILMES MAIS ASSISTIDO NAO SEI PORQUE MAIS OS MELHORES SAO OS QUE MENOS SAO ASSISTIDO ESTE FILME E SIMOLESMENTE UM DOS MELHORES DE 2010 PODERIA GANHAR MESMO O FILME DO ANO

  8. Excelente, nota 10!!
    Filme voltado para pessoas inteligentes, com raciocínio acima da média.
    Quem não gostou, lamento… vá ver Transformers….

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s