Crítica: O Procurado

Com um ritmo frenético, humor negro e um elenco renomado, chega aos cinemas a mais nova adaptação de histórias em quadrinhos. Confira a opinião do Antigravidade sobre a adaptação da minissérie de Mark Millar e J.G. Jones

Maurício Muniz, de Londres

Dizer que O Procurado é baseado na minissérie escrita por Mark MIllar e desenhada por J.G. Jones é quase um exagero. O filme dirigido pelo russo Timur Bekmambetov (da bem-sucedida trilogia iniciada com Guardiões da Noite) compartilha apenas a premissa inicial com a história em quadrinhos, que mostrava um jovem fracassado descobrindo que seu pai – que nunca conheceu – é um grande supervilão que acaba de ser morto e que, agora, deverá ocupar seu lugar.

Na versão para os cinemas saem os vilões uniformizados e entra uma sociedade secreta de assassinos que, aparentemente, mata pessoas em nome de um bem maior, para manter o mundo um lugar seguro. O mais novo membro da organização é o jovem Wesley (James McAvoy, de O Último Rei da Escócia), que é contatado pela impressionante Fox (Angelina Jolie) e inicia a árdua jornada para suceder o pai na organização dirigida pelo simpático Sloan (Morgan Freeman, em seu segundo filme de quadrinhos no ano) e cujos membros incluem sujeitos tão diferentes quanto o Consertador (Marc Warren, do seriado inglês O Golpe) e o Armeiro (o rapper Common, que quase foi o Lanterna Verde no filme da Liga da Justiça).

A brincadeira do filme é mostrar como Wesley, um sujeito abusado por todos e que vive pedindo desculpas por tudo que faz – mesmo quando não há motivo -, torna-se um perigoso assassino, capaz de curvar a trajetória de balas e de outros feitos incríveis que parecem saídos diretamente de Matrix. Mas o filme é pouco mais do que isso.

Acompanhamos todo o treinamento de Wesley: sessões de aprendizado nas quais só apanha, sessões com facas nas quais acaba cortado e ferido, aulas sobre como melhor usar armas em geral e como não ter sentimentos na hora de matar uma de suas vítimas (escolhidas por um complicado sistema de tear que envia mensagens criptografadas – não pergunte!). Tem peso na trama também a procura de Wesley por Cross (o alemão Thomas Kretschmann, de U-571), o assassino de seu pai, que acaba envolvendo também o armeiro Pekwarsky (feito por Terence Stamp, o General Zod de Superman e Superman II). Essa caçada acaba resultando numa das seqüências mais impressionantes do filme, quando Fox e Wesley enfrentam Cross dentro e fora de um trem que atravessa a Europa.

Então, caso não tenha ficado claro, o filme é pouco mais do que o treinamento de Wesley em meio a criativas cenas de lutas e tiroteios… E isso, na verdade, não é um defeito. O tom meio anárquico do filme, não se levando 100% a sério o tempo todo (com balas que fazem curva, nem daria pra ser diferente), o torna, em vários momentos, uma comédia de humor negro. Há algumas reviravoltas interessantes na trama próximo ao climax e o último tiroteio é bastante divertido, apesar dos exageros. Provavelmente o melhor do cinema em anos e capaz de deixar John Woo orgulhoso.

No final das contas, O Procurado acaba sendo uma fábula dos dias modernos, a história de um cara que descobre que a melhor maneira de dar o troco em todos que o fazem de gato e sapato é, simplesmente, meter balas e socos pra todo lado. E, nisso, acaba sendo superior à série em quadrinhos – que na verdade tem um final bem ruim. Falando nisso, vamos ver se você presta atenção o bastante para achar a referência que o filme faz a Millar e Jones, pouco antes do filme terminar.

Com um orçamento de 75 milhões de dólares (embora pareça mais: congratulações ao diretor), o filme fez uma boa carreira nas bilheterias, arrecadando mais de 250 milhões até agora, o que já levou a Universal a encomendar uma continuação para as aventuras de Wesley. E tomara que venha mesmo!

Se você for ao cinema esperando o aprofundamento e a seriedade de O Cavaleiro das Trevas, vai sair decepcionado. Mas se quiser apenas uma diversão descompromissada, violência fora da escala e um herói com o qual é possível se identificar, O Procurado é satisfação garantida.

O MELHOR: O uso criativo de um teclado de computador. É sério, você vai ver.

O PIOR: Saber que alguns atores não estarão na continuação.

NOTA: 8,0

15 comentários sobre “Crítica: O Procurado

  1. Eu gostei do filme, mas as caras e bocas que a senhorita Jolie faz no decorrer do filme são meio risíveis 😀

  2. Caros compatriotas tão moralmente abalados, sei que o assunto não corresponde.

    Mas… Gostaria de fazer um comunicado importante: redigi uma proposta (genial, por sinal) ao Comitê Olímpico Brasileiro… caso eles gostem, pode ser apresentada mais seriamente… Antes de enviar minha reinvindicação, gostaria da opinião de vocês…

    coloquei a proposta no seguinte endereço: http://queridobunker.wordpress.com/2008/08/21/proposta-esportiva/

    Desde já agradeço a atenção.

    Sabemos que com os brasileiros apoiando esta idéia, podemos fazer muito mais pelo esporte.

  3. O filme é muito bom, mas é estranho a opção da Jolie em só fazer esse tipo de filme… Já há algum tempo ela não pega algum personagem mais complexo como em Gia (leia no nosso blog a resenha: http://longametragem.wordpress.com/2008/08/21/gia/) e até mesmo no beeeem meia boca amor sem fronteiras…

    James McAvoy desponta bem, ele promete… Também depois do ótimo O ÚLTIMO REI DA ESCÓCIA, deixou suas credenciais…

    Abraços,
    Bueno

  4. Morelli, “pipocão” quer dizer que no filme teve muito “pipoco”?

    Porque se for uma referência à nossa querida Pipoca, eu como pipoca vendo qualquer filme, filme Europeu, tragédia, drama…

    Aliás eu não gosto de cinema eu gosto mesmo é de pipoca!

  5. O pessoal do “circuito alternativo” e do Belas Artes que me desculpe, mas pipoca vai bem com qualquer filme, de drama iraniano a comédia do Eddie Murphy.

    Se o filme for bom, a pipoca deixa ainda melhor a experiência. Se for ruim, ajuda a deixar mais suportável.

    Abraços,

    Maurício

  6. Né capenga não (basta ver sa datas das atualizações anteriores, é quase diário o troço. O que ocorre é os caras tão

  7. Né capenga não (basta ver sa datas das atualizações anteriores, é quase diário o troço. O que ocorre é os caras tão (ops…) eles tão resolvendo questões na Europa, e o tempo (excepcionalmente esta semana) ficou meio curto…
    Mas guenta, que os cabôco já vêm.

  8. Achei esse filme muito apelativo..Esse é o termo para definí-lo (A P E L A T I V O)…O filme é 10 nos efeitos especiais e ZERO em conteúdo, sem falar dos EXAGEROS ao EXTREMO na mentira….Os caras pegaram pesado. Acho que deveria ser pelo menos indicado ao Oscar como filme mais mentiroso de todos os tempos, SE ESSA CATEGORIA EXISTISSE É CLARO…Sem falar que a atuação da Angelina e do Morgan não foram lá essas coisas…Resumindo: Se estiver a fim de satisfazer os olhos, pelo aspecto visual, assista…Por outro lado, se estiver buscando um filme que traga o mínimo de seriedade (já que trata de PESSOAS NORMAIS e não super heróis ou ficção científica, como ocorrecom o renomeado MATRIX—muito parecido, diga-se de passagem)não recomendo…Vc vai se decepcionar TAMBÉM…:(

    Abraços 🙂

  9. Vejam os dados do filme “O Incrível HULK” aqui:
    Fonte: http://www.boxofficemojo.com/movies/?id=incrediblehulk.htm (no dia 1º de Setembro de 2008)

    THE INCREDIBLE HULK (O Incrível HULK, no Brasil)

    Distributor: Universal (distribuidora)
    Release Date: June 13, 2008 (lançamento)
    Genre: Action/Adventure (gênero)
    Running Time: 1 hrs. 54 min. (duração)
    MPAA Rating: PG-13 (censura 12 anos no BrasiL)
    Production Budget: $150 million (custo)

    Widest Release: 3,508 theaters (nº de cinemas)
    In Release: 80 days / 11.4 weeks (dia e semanas em exibição)

    Domestic: $134,499,000 55.2% (só nos E.U.A.)
    + Foreign: $109,264,559 44.8% (fora dos E.U.A.)
    = Worldwide: $243,763,559 100% (soma TOTAL dentro e fora dos E.U.A.)

    Balanço GERAL: FRACASSO DE BILHETERIA. Perdeu DE NOVO Marvete!!!! HA hA ha Ha…

  10. AFF tem cada comentário falando que o filme e Mentira eBlá blá…
    Mais é Claro que sempre vai ser mentira. Ja viu algum filme Que nao tenha mintiras? nem que seja uma mínima, esse pode ser exagerado, mais afinal de contas é HQ e tudo pode acontecer se achou pesado para os seus filhos ou se achou pesado para você, deixe os filhos em casa e lembre-se que só voce é adulto e adolescente ja nao tem problemas com este tipo de coisas… FILME NOTA 10, achou ruim? vai fazer um Melhor que eu duvido!

    Citação: Se você for ao cinema esperando o aprofundamento e a seriedade de O Cavaleiro das Trevas, vai sair decepcionado. Mas se quiser apenas uma diversão descompromissada, violência fora da escala e um herói com o qual é possível se identificar, O Procurado é satisfação garantida.

    Me desculpem mais eu acho esse comentário Fora de contexto em relação ao Cavaleiro das Trevas. Lembrem- se é Outro filme! e nao o mesmo! Nunca vai Existir filme igual, apenas semelhante! se TOCA!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s